fbpx

Técnicas básicas para misturar as suas músicas

Todos os músicos têm maneiras diferentes de misturar a sua música mas no geral o processo passa por três etapas: criar as pistas iniciais, misturar a música, e então masterizar. cada uma destas etapas é normalmente feita por pessoas diferentes, cada um profissional na sua área. Um músico irá criar a música, o produtor irá misturá-la e o engenheiro de som irá masterizá-la para qualidade de produção.Com editoras independentes ou homestudios estes trabalhos são feitos pela mesma pessoa. É sempre recomendável contratar um engenheiro para masterizar, mas à falta de recursos não devemos ficar impedidos de misturar e dar o nosso melhor a masterizar. Vamos ver algumas dicas para criar uma boa mistura.

Níveis de mistura

Dois grandes problemas nas misturas atuais são os níveis dos instrumentos e as modificações nas frequências na mistura. Vamos ver algumas bases para misturar uma pista. Há uma diferença entre misturar num mixer em software e um mixer analógico que consegue aumentar em +3dB sem causar distorção, isto varia consoante a qualidade do mixer que está a usar. Quando mistura com software o máximo permitido é 0dB (sem exceções) qualquer coisa mais alta irá distorcer o sinal.

Mistura em hardware e softwareDe seguida mostramos simplesmente como referência os níveis que as suas pistas devem ter, claro que isto pode ser alterado:

O Kick Drum deve estar nos 0dB este é o som mais alto.

O baixo deve estar por volta dos -10 dB ou um pouco mais alto.

A percussão deve situar-se nos -20dB.

Colocação das frequências

O ouvido humano consegue ouvir entre 20hz(graves) até 20khz(agudos). Agora sabemos que o limite de frequências que podemos trabalhar com os nossos instrumentos, tudo o que esteja fora desta banda deve ser eliminado com o equalizador. Numa música cada instrumento deve cobrir uma gama de frequências. Quando as mistura é bem feita cada instrumento ocupa a sua área de frequência sem saturar muito outra área. Então deve escolher os instrumentos que vão preencher a zona de graves, médios e agudos, e atenuar as frequências médias e altas no instrumento graves, graves e agudas nos médios e adiante.

Quanto a efeitos, pode já ter adicionado os efeitos em cada pista na primeira fase da criação da música. Agora durante a mistura irá querer assegurar-se que todos os instrumentos assentam num espaço tridimensional. Isto consegue-se utilizando o panning nos instrumentos e adicionando o efeito de reverb em algumas pistas. O baixo e o bombo são normalmente colocados ao centro sem reverb. Os hi-hats devem ser colocados à esquerda ou à direita. O resto use com imaginação mas cuidado com os excessos.

Ricardo Frade

https://www.facebook.com/RicardoF.Guitarra/

Professor de guitarra e criador da Academiamusical.com.pt, Ricardo Frade é um apaixonado pela música e pretende incentivar o estudo da música em Portugal e Países Lusófonos.

O seu instrumento primário é a guitarra. O instrumento secundário é o piano. É aficionado por bandas sonoras instrumentais, área onde ambiciona atuar. Trabalha com ensino musical, produção musical e deseja conseguir contribuir para a dinamização do ensino da música em Portugal.

Deixa aqui um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.