fbpx

Como improvisar na guitarra

Improvisar na guitarra é uma aspiração para a maioria dos guitarristas. Apesar do improviso ser como o nome diz “improviso”, existem conhecimentos que facilitaram esta tarefa além de otimizarem o nosso improviso. Então iremos ver algumas formas de improvisar na guitarra. Neste artigo iremos ver como improvisar na guitarra com a escala pentatónica, improvisar na guitarra com a escala pentatónica por acordes, improvisar na guitarra com a escala maior e improvisar na guitarra com modos gregos.

Conheça o nosso Pack especial de guitarra. Curso iniciante + curso intermédio. Clique aqui.

Improvisar na guitarra com a escala pentatónica

Esta é, normalmente, a primeira forma que os guitarristas aprendem para improvisar. Para improvisar na guitarra com a escala pentatónica temos claro, de conhecer a escala pentatónica (para conhecer as escalas pentatónicas clique aqui). Primeiramente deve saber de cor um dos formatos da escala pentatónica, vamos utilizar o mais comum:

Escala pentatónica menorImprovisar na guitarra com a escala pentatónica é simples. Pegue um tom. Imagine que pega numa Backingtrack em Lá menor. O que vai fazer é utilizar este formato (ou o que preferir, ou ainda melhor, todos) em Lá menor. Se já conhece a escala pentatónica saberá que este formato em Lá menor se inicia na quinta casa da sexta corda da guitarra. A escala pentatónica é uma boa escala para improvisar na guitarra pois não contem nela algumas das notas mais dissonantes. Então com a sua backingtrack, toque as notas da escala pentatónica do mesmo tom, brinque com as notas, utilize diferentes variações rítmicas e deixe que o seu ouvido seja o juiz.

Se a sua backingtrack está num tom maior então tem duas opções, ou utiliza a pentatónica maior ou a pentatónica menor. Se utilizar a pentatónica menor, o choque da terça maior criará um som mais blues. Vamos supor que quer tocar no tom de Lá maior. Pegue na pentatónica de Lá menor e desça um tom e meio à escala.

Pentatónica maior LáPronto, tem a sua escala pentatónica maior de Lá. A isto chama-se relativa menor. Na prática estará a tocar a escala de Fá# menor, que é uma escala menor que utiliza as mesmas notas que a escala de lá maior. Não se confunda demais com a teoria, apenas lembre-se, para encontrar a pentatónica maior, monte a escala pentatónica menor do tom e desça o formato um tom e meio. Simples assim.

Pode também dar um sabor ao seu improviso utilizando a blue note. A blue note é uma nota que dá uma característica blues ao som. Normalmente chama-mos esta a escala de blues, apesar de ser a pentatónica com uma nota a mais:

Escala de bluesImprovise durante algum tempo (meses pelo menos), desta forma. Não tente saltar etapas, as próximas formas são mais difíceis e é necessário que consiga tocar algo de interessante apenas com a escala pentatónica para poder avançar.

Improvisar na guitarra por acorde com a escala pentatónica

Improvisar na guitarra com a escala pentatónica é ótimo, mas se ficar só na escala do tom o improviso vai acabar por ficar limitado e você poderá ter vontade de expandir o seu som. Uma forma do seu improviso soar “mais dentro” do que está a ser tocado, é improvisando por acorde. Se começar a improvisar por acorde com a pentatónica já estará a dar um passo de gigante. Lembre-se que se está a pensar improvisar por acorde com a escala pentatónica, tem de pelo menos já ter improvisado bastante apenas com uma pentatónica no tom.

Então para improvisar na guitarra com a escala pentatónica por acorde fazemos algo parecido ao anterior. No entanto nós vamos pensar em acordes e não em tom. Como assim? Imagine que agora vamos improvisar em cima de uma backingtrack no tom de Dó maior. Não vamos pegar na escala pentatónica de Lá menor (Dó maior) e sair tocando. Desta vez vamos pensar em acordes, vamos olhar para a progressão de acordes e tocar a pentatónica dessa progressão.

Sendo assim, a título de exemplo, se estávamos no tom de dó maior poderíamos ter uma progressão Dó maior – Fá maior – Lá menor – Sol maior. Então em vez de tocarmos a pentatónica maior de Dó em cima da progressão inteira, vamos tocar as pentatónicas de Dó maior, Fá maior, Lá menor e Sol maior. Enquanto estiver na backingtrack (ou a sua banda) a tocar o acorde de Dó maior, você improvisa na escala pentatónica maior de Dó. Quando passarem para o acorde de Fá maior você improvisa com a escala pentatónica de Fá maior. Quando tocarem o acorde de Lá menor você toca a escala pentatónica menor de Lá, e por fim Sol maior.

Esta forma de improvisar na guitarra é bastante mais difícil, portanto só comece a tocar assim quando já dominar a escala pentatónica e conseguir improvisar com os cinco shapes. Apesar desta forma de improvisar ser bastante mais complexa, o resultado é bastante mais recompensador. A partir do momento que começa a improvisar por acorde, você toca “com a música” num todo. Se tocar numa banda vocês estarão em perfeita harmonia a tocar como um todo e não soará “fora”.

Para começar a treinar por acorde com as pentatónicas, uma boa ideia é começar com progressões simples de dois acordes e depois ir aumentando.

Improvisar na guitarra com a escala maior.

Improvisar na guitarra com a escala maior assemelha-se à primeira forma que vimos com a escala pentatónica, mas agora utilizando a escala maior. A escala maior é uma escala muito mais completa portanto as possibilidades para fazer um improviso mais requintado são maiores, no entanto, também tem notas dissonantes pelo que também é mais fácil tirar um mau som do improviso. Mesmo assim se você ambiciona ser realmente bom no improviso terá de chegar aqui mais tarde ou mais cedo. Então como na primeira forma de improvisar, aqui temos de saber um ou mais shapes da escala maior, vamos ver o mais comum:

Escala maior guitarraAgora faça o mesmo que fizemos com a escala pentatónica. Se estiver a tocar no tom de Sol maior por exemplo, utilize este shape em Sol maior (com a nota a vermelho na quinta casa da sexta corda) e utilize as notas de Sol maior no improviso. Enquanto toca tome atenção ao som das notas, verá que algumas soarão mais dissonantes que outras.

Improvisar na guitarra com modos gregos

Este é o santo graal do improviso. Improvisar na guitarra com modos gregos é “quase” parecido com o improviso por acorde com pentatónicas. A vantagem é que não precisará sequer de mudar de shape, no entanto terá de saber de cor as notas do shape em que estiver a tocar. Primeiramente tem de saber o que são modos gregos, o que em sim já é um assunto simples mas extenso, pode ver a nossa série de tutoriais aqui.

Mais uma vez irá deixar de pensar em tom e começar a pensar por acorde. Cada acorde de um campo harmónica«o tem umas notas que soam melhor que outras. Vamos imaginar a mesma progressão em Dó maior que vimos à pouco:

Dó maior – Fá maior – Lá menor – Sol maior;

Todos estes acordes estão dentro do tom de Dó maior, ou seja, você pode apenas tocar as notas da escala de Dó maior em cima dos acordes. No entanto existem notas dentro da escala que soarão melhor quando Dó maior estiver a ser tocado, quando for o acorde de Fá maior as melhores notas já serão outras, Lá menor igualmente, assim como Sol maior. Basicamente as melhores notas são as notas que formam cada acorde. O objetivo é começar a alvejar as notas de cada acorde para repousar, quando o mesmo está a ser tocado, então estará a utilizar os modos gregos. Repare nas notas que formam cada tríade:

  • Dó maior: Dó – Mi – Sol;
  • Fá maior: Fá – Lá – Dó;
  • Lá menor: Lá – Dó – Mi;
  • Sol maior: Sol – Si – Ré;

Sendo assim continue a tocar a escala de Dó maior, mas dentro desse shape, “almeje” as notas que formam o acorde que está a tocar no momento. Se a dado momento estiver a dar o acorde de Lá maior, então as notas em que deve repousar são , ou Mi. Claro que isto é uma forma demasiado simplista de ver os modos gregos, portanto para aprofundar mais sobre o assunto veja a nossa série de tutoriais sobre modos gregos.

Dominando estas formas de improvisar na guitarra você estará apto para os mais altos voos, o principal é treinar e treinar MUITO. Não se desanime se ao inicio lhe parecer estranho e não conseguir reproduzir nada musical, é normal de inicio. Tem de continuar a improvisar e a fazer experiências diariamente.

Conheça o nosso Pack especial de guitarra. Curso iniciante + curso intermédio. Clique aqui.

Ricardo Frade

https://www.facebook.com/RicardoF.Guitarra/

Professor de guitarra e criador da Academiamusical.com.pt, Ricardo Frade é um apaixonado pela música e pretende incentivar o estudo da música em Portugal e Países Lusófonos.

O seu instrumento primário é a guitarra. O instrumento secundário é o piano. É aficionado por bandas sonoras instrumentais, área onde ambiciona atuar. Trabalha com ensino musical, produção musical e deseja conseguir contribuir para a dinamização do ensino da música em Portugal.

    3 Comentários

  1. daniel
    2 Julho, 2014
    Responder

    Olá, esses posts aqui sao muito bons…tem me ajudado bastante.
    os temas abordados de forma clara e objetiva traz um rendimento otimo…
    abs.

    • Academia Musical
      2 Julho, 2014
      Responder

      Que ótimo saber que os artigos estão lhe ajudando. Continuaremos a criar material para você e todos os utilizadores.

  2. 6 Abril, 2020
    Responder

    Muito legal o artigo! Bem completo! Improvisar com penta é muito legal e versátil. Sempre salva em gigs e momentos mais espontâneos

Deixa aqui um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.